terça-feira, 14 de Outubro de 2008

Mito de Bandarra


António Gonçalves Annes Bandarra, mais conhecido por Bandarra. Nasceu em 1500 e morreu em 1556, em Trancoso. Profeta, poeta e sapateiro de Trancoso. É uma figura histórica do distrito da Guarda. Era sapateiro e dedicou-se à divulgação em verso de profecias de cariz messiânico. Tinha um bom conhecimento das Escrituras do Antigo Testamento, do qual fazia as suas próprias interpretações. Por causa disso, foi acusado pela Inquisição de judaísmo e as suas trovas foram incluídas no Catálogo de Livros Proibidos, já que suscitaram interesse sobretudo entre cristãos-novos. Foi inquirido perante este tribunal, sendo ilibado, mas foi obrigado a participar na procissão do auto-de-fé de 1541 e também a nunca mais interpretar a Bíblia ou escrever sobre assuntos da Teologia.
A sua obra chamou-se "Paráfrase e Concordância de Algumas Profecias de Bandarra" e foi editado por D. João de Castro. A obra foi interpretada como uma profecia, ao regresso do Rei D. Sebastião após o seu desaparecimento na Batalha de Alcácer-Quibir, em Agosto de 1578. Em 1815 é editada uma nova edição com o título: "Trovas Inéditas do Bandarra". Entre 1822 e 1823, saí mais uma edição com o título: "Verdade e Complemento das Profecias". As Trovas do Bandarra influenciaram o pensamento sebastianista e messiânico de Padre António Vieira e de Fernando Pessoa, e influenciaram inúmeras obras literárias e ensaísticas.
São três os pontos da profética de Bandarra: o Quinto Império, a ida e regresso de el-rei D. Sebastião e os destinos de Portugal. O primeiro ponto, preocupa-o em comum com toda a profética europeia, e, em certo modo, a hebraica. O segundo ponto, preocupa-se com outros profetas, estranhos à nossa nação. No terceiro ponto, das suas Trovas Bandarra preocupa-se em desvendar misteriosamente grandes movimentos das nações, culminância da civilização. De todos os “corpos” de que se compõem as profecias de Bandarra, é este o mais ordenadamente disposto, em os seus seis sonhos e a introdução que os abre. É de salientar que nos outros corpos das trovas Bandarra se ocupa de factos presos, concretos, de importância para o país, não sendo porém os de maior importância.
“Bandarra foi verdadeiro profeta, pois profetizou e escreveu tantos anos antes, tantas cousas, tão exactas, tão miúdas e tão particulares, que vemos todos cumpridas com os nossos olhos”.

Sem comentários: